segunda-feira, 8 de agosto de 2011

ET, o extraterrestre de Steven Spielberg (ET, the extra-terrestrial)

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=_7-2PB4jj2o
Fala do filme: "ET... phone... home..."
Vale a pena: Se você, como eu, nunca viu, veja! Bom para crianças e pessoas com medo de filmes de suspense, já que é bem levinho.
Não vale a pena: Quem quer ver aliens extremamente bem feitos e se apavorar com o roteiro e os efeitos especiais.
Gostei? Pouco. Sinto que vi ele pela primeira vez velha demais.
Detalhe que provavelmente só eu reparei: Fotografia extremamente bem trabalhada, com os contrastes de luz impedindo que você veja a face dos inimigos até o fim do filme.

Do que se trata o filme:
O garoto Elliot vai pegar uma pizza fora de casa quando percebe uma luz incomum no seu quintal. Quando ele consegue perceber que aquilo era, na realidade, um ser extraterrestre, ele conta com a falta de crença de seus irmãos. No entanto, após criar um grande laço de amizade com o ET, ele consegue provar aos outros que era verdade, e os três irmãos começam a ajudá-lo a criar um telefone para que os da mesma espécie do ET venham buscá-lo na Terra.

Os meus comentários:
Acho particularmente estranho falar sobre esse filme, por dois motivos. O primeiro deles é que essa é a primeira vez que eu vi ET, sendo que esse é um filme que todos vêem quando são pequenos, e eu perdi aquele olhar inocente e pouco crítico já há algum tempo, então o filme não causa "aquela coisa mágica" em mim. Além disso, esse é um filme que traz reações muito particulares às pessoas, e é difícil tentar abordar de uma forma geral algo que pode causar tanto medo quando risos. Tendo um amigo que até hoje detesta filmes de aliens por causa desse filme, e alguns que o usam para comparar graus de quão toscos são alguns efeitos especiais, é bem difícil tentar abordar vários pontos de vista.

Bom, mas dado que eu estou fazendo tal crítica e vi o filme, mesmo sabendo que ele me pareceria um pouco tosco, por que toda essa vontade de vê-lo? Recomendações. Em breve, lançará no Brasil o filme Super 8, produzido por Spielberg, e chamado por muitos de "novo ET". Logo, vi a necessidade de vê-lo antes que fosse ainda mais tarde.

É sabido que desde a década de 1970 até hoje, com filmes como Avatar, há até uma competição dos grandes estúdios de cinema para ver quem consegue fazer os efeitos especiais mais espetaculares. E, dentro dessa competição, Spielberg fez grandes avanços, como com Indiana Jones e com o famosíssimo Jurassic Park. Logo, se torna discutível falar sobre como os efeitos especiais desse filme são um pouco rudimentares. Percebendo o currículo do diretor, fica até ridículo falar que os efeitos foram propositalmente ruins, ou que ele realmente buscava ter um ET pouco assustador, mesmo no começo. Mas, como sempre, precisamos lembrar que todo filme foi feito na sua época, e como o ET estreiou em 1982, as tecnologias de efeitos especiais não eram grande coisa.

Em compensação, o filme é cheio de detalhes menores, mas que realmente trazem ao filme o ar de amizade entre garoto e alien que o diretor procurava. O próprio quarto do garoto, cheio de referências ao espaço sideral, e com luzes articuladas que deveriam ser bastante tecnológicas na época sugerem que o garoto já tinha uma mente aberta ao espaço, além de, por conta da época em que nasceu, ter assistido parte da corrida espacial. Além disso, o abandono do pai tem um bom timing, já que o garoto provavelmente estava carente e necessitando do carinho promovido pelo ET.

Por fim, há mais um aspecto bem interessante a ser citado. Ele é a abordagem do diretor ao tema dos extraterrestres, que combina bastante com os blockbusters dos anos 1980. Ao trazer à Terra um ET bonzinho e que ensina uma lição sobre laços de amizade, é inegável que Spielberg buscava um grande sucesso de bilheteria, e como todos sabem, a fórmula para isso nos anos 1980 era efeitos especiais + lição de moral + emoção. Logo, seu sucesso na época e sua elevação a um clássico do cinema faz todo o sentido.

E é isso! Comentem, por favor (:

2 comentários:

  1. Mariana Boujikian8 de agosto de 2011 09:51

    Meus pais foram assistir esse filme na estréia, quando ainda eram namorados, e levaram eu e meus irmãos pra assistir de novo, 20 anos depois, quando reestreou. De fato, um clássico :)

    ResponderExcluir
  2. Carol, parabéns pelo post. Há vários detalhes que eu nunca havia notado. Em relação às luzes, me parece que a idéia era essa mesmo. Não só a gente não vê o inimigo, como também a câmara, nessas tomadas, é colocada de baixo para cima, realçando sempre a perspectiva da criança, o ponto de vista dela na relação com os adultos, que são incapazes de empatia com a visão do menino sobre a verdadeira natureza do ET. Abraço.

    Marcio

    ResponderExcluir